Veneza

Com suas gôndolas e palácios sobre a água, a Sereníssima é uma cidade única no mundo. Veneza vai exibindo, tal e qual vistos nos quadros pintados na época de seu apogeu, na Idade Média, seus sucessivos palazzi, as imponentes torres e cúpulas das dúzias de igrejas, a Ponte do Rialto e, claro, as gôndolas. Junte a tudo isso o fato de que Veneza nunca foi completamente terra firme.

Qualquer que seja a quantidade de dias passados nessa antiga potência, que abria as portas do Oriente para o Ocidente, é certo que o corpo estará exausto ao fim de uma jornada pelas vias labirínticas da cidade. Mas resista ao cansaço e saia para contemplar Veneza à noite.

É nesse período do dia, quando as levas de turistas se recolhem ou vão embora para lugares vizinhos como Mestre (no continente e que oferece diárias de hotel bem mais baixas) e quando o trânsito frenético das embarcações dá um tempo, que a Sereníssima recupera, nos sentidos literal e figurado, seu brilho.

É a deixa para os casais em lua-de-mel, ou que estejam nesse clima, terem mais um grande momento. Pode ser uma mera contemplação das estrelas numa piazzetta onde os pombinhos foram parar por engano ou um jantar romântico num dos muitos estabelecimentos às margens do Canal Grande.

Ou, luxo puro, ter uma refeição à luz de velas no Fortuny, que até pede aos homens, sempre, o uso de paletó e é um dos restaurantes do Cipriani, hotel entre os mais espetaculares da cidade. É claro que a conta ali há de fazer um estrago no orçamento de viagem, mas, se é para fazer uma loucura, quer lugar melhor que Veneza?

Atrações em Veneza

Ao caminhar pelas vielas da cidade, vá a um dos lugares mais charmosos e pouco conhecidos por turistas: a escada externa do Palazzo Cantarini del Bovolo. Fica escondida em meio ao labirinto de vielas que circulam a Piazza San Marco, mas é fácil chegar lá. Na via Calle della Vita estão as placas que indicam o caminho. Ela fica aberta para visitação de segunda a sexta-feira, das 10h às 16h. Quando subir a escada até o alto da torre, poderá ver toda a cidade de Veneza lá de cima. Ao lado da famosa Academia de Belas Artes situada em um magnífico palácio, apresenta uma coleção extraordinária de arte veneziana, fica a região conhecida por Zattere, com vários cafés à beira-mar. Sente-se em um deles, peça um sorvete de creme com um pedaço de chocolate dentro – uma deliciosa especialidade veneziana – e contemple o pôr-do-sol ao lado do seu amor.

A Piazza de San Marco é o coração e alma de Veneza. Procure chegar aqui bem cedo, antes da invasão dos turistas, a praça está sempre lotada por eles e por artistas de rua. É rodeada pela Basílica de San Marco, o Campanile, a Torre do Relógio e o Museu Correr. Aproveite para assistir a cerimônia de hasteamento da bandeira pelas tropas de Carabinieri, em seus trajes típicos, cerimônia saudada pelas badaladas do sino da torre da Campanille.

Uma das mais exóticas catedrais da Europa, a Basílica de San Marco exibe uma surpreendente coleção de mosaicos, como “A Chegada do Corpo de San Marco”, na fachada e também os quatro cavalos de bronzes originais (os que estão na parte externa da igreja são cópias). A visita é cansativa, pois é preciso seguir em fila por um trajeto definido durante todo o tempo. Veneza é toda cortada por pequenos canais, o maior é o Grande Canal, que divide Veneza ao meio. Três pontes cruzam o Grande Canal, a Ponte Degli Scalzi, a famosa Ponte di Rialto que serve de marco para o centro da cidade e a Ponte de l’Accademia. Vale um passeio de gôndola neste canal, uma obrigação para quem visitar a cidade. Ao entardecer, o sol colore as fachadas dos palácios ao longo do canal e realça os reflexos na água.

Gastronomia

A cozinha de Veneza é baseada em frutos do mar, experimente os deliciosos risotos e sopas. Muito comum também são os grãos como arroz e feijão, além de aspargos, abóboras e ervas, vegetais típicos da região do Vêneto. Lugares mais baratos para comer são as Trattorie (tratorias), a comida é boa e razoavelmente barata. As massas em geral são muito boas também. Quase todos os restaurantes oferecem menus a preços fixos, quase sempre mais baratos que os pedidos a la carte.

Experimente um petisco nos “fritolins” (botecos). Lugar onde os venezianos se encontram para tomar seu “ombra” (copo de vinho) e comer peixes fritos. Para uma comida de verdade, vale a pena caminhar até o Rialto para comer no modesto restaurante Da Pinto, que “bacalà mantecato” desde 1890.